segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Uma história (parte 7)

(um pouco do passado para poder explicar o presente)

Ela morava com a família. Ele, vindo de Niterói, morava sozinho em São Paulo.

O fato dele morar sozinho trazia certa privacidade ao casal. Ele buscava ela, saíam e depois iam para seu apartamento. Às vezes iam direto para lá, ver filme ou apenas ficar de bobeira. Podiam dormir a hora que quisessem, acordar quando bem entendessem sem serem acordados por vozes de outras pessoas, comiam quando bem entendiam e podiam conversar por horas sem serem interrompidos (exceto quando o telefone tocava). O fato dele morar sozinho só parecia trazer vantagem para eles como casal, mas havia um problema.
Parte da família dele estava no RJ, parte estava na Ásia. O problema é que a parte que morava na Ásia era justamente: pai, mãe e as duas irmãs. Motivo: o pai conseguiu um ótimo emprego lá. Moravam lá já desde antes o rapaz conhecer a garota. Logo que ela soube, teve medo de que um dia ele resolvesse sair do país. Morar fora... E ela, como ficaria?
Ela se lembrava que, quando começaram a namorar, ela perguntou:

- Você, depois de se formar, pretende voltar para Niterói?
- Não, - respondeu ele - minha vida é aqui.

Ela se agarrava a essa resposta: "Minha vida é aqui."
Mesmo assim, o medo persistia.

Um dia ela desabafou sobre seu medo com sua melhor amiga e ela disse:
-Imagine, ele te ama! Você acha mesmo que ele teria coragem de te deixar?

E ela estava certa. Ele não pensava em abandoná-la. Por isso que, pouco antes do Natal de 2007 ele contou a ela que pretendia morar na Europa depois que se formasse - e a convidou para morar com ele.

"Como assim ele pretende ir embora? Ele não tinha dito que a vida dele era aqui?", pensava ela.

O que ela percebeu, então, é que aquele dia ele havia respondido outra coisa. A vida dele não poderia mais ser em Niterói. Seria, no mínimo, aqui. Voltar para sua cidade natal seria "querer menos". E ele sempre foi de "querer mais".

Ela aceitaria? Poderia abandonar a família que precisava dela? Poderia arriscar sua vida profissional dessa maneira? Ela não sabia. Ele entendeu que ela precisava de um tempo para pensar.

13 comentários:

Malú disse...

Hum, espero continuação! rsrs
Valeu pelo comentário.. e, err, sim; eu gosto de NX.
rsrs :D

Camila M. Schuch disse...

Também quero saber o desfecho desta história... Hihi

Bah, que situação, eu ficaria muito dividida!

Beeijos

Michele disse...

E como o tempo resolve todas as coisas, melhor mesmo se conformar...

Beijo grande, querida!

marianna cunha disse...

Dividida entre o amor e a vida profissional e familiar? Dificil, muito dificil!

instantes e momentos disse...

linda postagem ,parabens muito bom.
tenha uma bela tarde.
Maurizio

Mary West disse...

Huummm espero um final feliz! ;)

Tássia Jaeger disse...

ah assim não vale...não peguei desde a 1ª parte...bjussss

Talita disse...

Tenho medo de algo parecido acontecer entre mim e mo meu namorado.Depois de se formar,talvez ele não vá pra outro país,mas pra outra cidade :'/

:*

Nathália disse...

Arriscar sempre é bom, mas depois de se pensar muito.

Beijo!

Tássia Jaeger disse...

tah bom...vou começar a acompanhar então...esta história é baseada em fatos reais???

Isadora Ijano disse...

Um mistérioo ... hmmm!!
Eu me arrepiei aqui porque essa parte é muito parecida com o que está acontecendo com a minha amiga, se o final desta história for feliz, espero que aconteça o mesmo com ela ;)
Beeeijos

Melyssi disse...

achei que ele disse "minha vida é aqui" como se fosse "aqui do seu lado" seria mais romântico xD

darsh. disse...

ahhh na maioria das vezes esse tempo para pensar é essencial. é o senhor de muitas decisões :)

 
BlogBlogs.Com.Br