sexta-feira, 3 de julho de 2009

Já pensou ficar quase 2 anos sem ver sua mãe?

Eu já pensei nisso; não há como não pensar, já que há 2 anos meu namorado não vê a mãe dele. Ela mora com o pai dele e minhas duas cunhadas em Cingapura. O pai conseguiu vir passar uns dias rápidos no Brasil nesse tempo todo, mas a mãe não. Bom, hoje ele volta à cidade natal dele para encontrar a mãe que está no Brasil, que veio entregar uma das filhas para morar novamente no Brasil (\o/). E me dói pensar que ele está indo para lá para encontrar ela, mas não para ficar com ela. Está indo lá passar uns dias com ela e depois haverá novamente a despedida, pois ela voltará para Cingapura.
Não é fácil namorar um cara que mora longe da família. Tenho certeza de que se ele tivesse opção, optaria por estar com eles. Dizem para mim que deve ser muito bom, afinal temos mais privacidade e não tenho sogra pegando no meu pé. Ok, temos privacidade. Mas eu amo a minha sogra, amo toda a família dele como se fosse a minha. Comofas?
Não é fácil. Primeiro porque a cabeça e o coração dele nunca estão 100% aqui. Em períodos letivos, ele se ocupa quase que por inteiro com a faculdade e o estágio. Nas férias, a cabeça dele só tem um pensamento: ficar com a família (é justo!). Nas férias passadas, ninguém da família pôde vir para cá, e vocês pensam: ok, você teve ele só pra você! Não. Ele ficou triste, ficou mal, tentou esconder isso de mim, mas eu percebo quando ele está fora de seu normal. Sem contar que eu mesma sinto falta deles, apesar do pouco convívio. Sabe quando você já ama algumas pessoas e não sabe explicar de onde veio esse amor? Mas ele está aqui. Garanto.
O segundo problema é que isso tudo faz eu ter um namorado com um buraco por dentro - palavras dele prórpio. Um buraco que nunca fecha. Por mais que eu tente, por mais que eu o anime, por mais que ele me garanta que eu o ajudo a superar isso, o buraco continua lá.
O terceiro é que essa cacetada da vida fez ele construir um muro em volta dele. Tudo ele achava que tinha que resolver sozinho, que tinha que sofrer sozinho, que tinha que superar sozinho... Sozinho, sozinho, sozinho... Mas quando começamos a namorar, ele não estava mais sozinho... Mas quem disse que ele percebeu isso? Vou te contar: com muito custo consegui eliminar esse terceiro problema. "Você não está sozinho, entenda isso!!"
Minha meta, atualmente, é diariamente tapar um pouco do buraco que ele tem. Ok, é um buraco do tamanho do Maracanã, e eu tenho apenas uma pá. Mas quem sabe, no futuro, do nosso amor, nasça uma pessoa especial com uma pá... E mais outra com outra pá... E outra... Tenho certeza que essas pás a mais farão diferença.
Quem sabe um dia os pais dele voltem a morar aqui? Quem sabe um dia a gente more perto deles? Mas uma coisa boa isso trouxe: deu para ver o quanto esse meu namorado tão especial valoriza a família. Se não valorizava antes, valoriza muito agora. Ok, sei que ele valorizava antes, mas sei que agora as coisas são muito diferentes diante dos olhos dele. É com esse cara especial que eu quero contruir uma família. E recrutar muitas e muitas pás para me ajudar a fazer esse cara cada dia mais feliz =)

3 comentários:

thamy disse...

Se tivesse 4 linhas a mais...com certeza eu choraria....
meus olhos encheram de água...
muito lindo...
Vc iria morar em Cingapura por ele?

Beijos...

A n i n h a a disse...

Nossa, ele deve ter um BAITA buraco mesmo, se eu me afastasse assim da família, iria sofrer.
Sabe, acho que é pior do que perder de vez, porque eles morando em outro lugar se sabe que eles estão vivos e em outro lugar do mundo, sem saber se eles estão felizes, tristes ou pensando nos filhos.
Nossa, aflição total!
E você faz super bem com a sua pazinha humilde, tenho certeza que está fazendo um ótimo trabalho :D

beijocas :*

Marina disse...

Ahhh q lindoooo!!!!!!!!!

Imagino como deve ser difícil pra vc, Mah! Mas não desista, continue sendo essa namorada dedicada! Um dia o buraco talvez não seja totalmente tapado, mas diminua mtooo, pod acreditar.

BjO!

 
BlogBlogs.Com.Br